BLOG DA MAGIA

O Magista e a Alimentação


Alimentação

O ideal a atingir por aquele que se sujeita ao regime de alimentação preconizado pela Magia, consiste em pôr à disposição da vontade a maior quantidade possível de força nervosa em um tempo dado. Quando o mago atinge o nível de força realmente satisfatório ele atinge também aquilo que se chama LIBERDADE DE ESPÍRITO. O espírito livre tem condições de dispor, com segurança, de uma enorme quantidade de fluido nervoso. Este estado se manifesta principalmente pela manhã ou em jejum, isto é, nos momentos em que o ser humano está menos ocupado com o trabalho fisiológico do organismo, sobretudo a digestão

Para fixar bem nossas idéias, representemos o ser humano como um balão que pode alcançar diversas alturas conforme o pêso maior ou menor que serve de lastro. O balão é o espírito; o lastro ou pêso é o corpo, o organismo; as cordas são a força nervosa. ...Um pré-requisito dos mais importantes para se alcançar a liberdade de espírito é justamente a diminuição do pêso do organismo (e este peso se refere não só à massa física, mas também à massa de pensamentos que tencionam a mente). Isso não significa passar fome. As práticas místicas relativas ao corpo devem ser controladas, devem ser periódicas, nunca contínuas. ...Pode-se treinar progressivamente para libertar uma quantidade cada vez maior de força nervosa sob a condição de não esquecer que a reposição da força nervosa depende da absorção de alimentos. O estado de saúde física é obtido por um harmonioso equilíbrio entre o espírito e o organismo. Quando, sem transição, o ser voluntarioso, a Vontade se sobrepõe ao corpo, há o perigo de desfalecimento e loucura. A situação contrária, do organismo que oprime o espírito, resulta em sonolência e embrutecimento. Suponhamos que, estando em jejum, fazemos uma refeição abundante e pesada. À medida que a sensação de satisfação do estômago se estabelece, as idéias se obscurecem. Isso ocorre porque, a força nervosa que estava a serviço do espírito passa a ser usada pela esfera instintiva do ser humano; a força nervosa vai ser empregada na digestão. O homem instintivo, para quem a satisfação do apetite constitui uma das formas de felicidade, deixa-se seduzir por esses gozos de embrutecimento progressivo e ainda favorece este embrutecimento entregando-se ao sono pós refeição, a sesta. Semelhante indivíduo está inteiramente escravizado ao seu organismo e não conseguiria realizar qualquer operação mágica.

Vegetarianismo

A educação do magista passa por períodos de preparação pessoal que tornam o estudante apto a realizar operações mágicas. Estes períodos variam entre 7 e 40 dias. Nestas épocas, o regime vegetariano deve ser o único a ser empregado. Isso tem sua razão de ser: o homem orgânico é uma criação da natureza que deve estar a serviço do homem-espírito. Em sua experiência terrena o organismo humano possui um centro vital animal no peito e um centro vital vegetal no abdômen. Os alimentos vegetais agem quase que unicamente no homem instintivo e seu emprego constante produz CALMA ORGÂNICA, FÍSICA. Um organismo assim preparado, alimentado com vegetais, não oferece muita resistência à FORÇA DE VONTADE. Se quiserdes vos abandonar aos sonhos e experimentar sensações que nunca serão saturadas pelo tédio, tomais como meio ambiente o CAMPO e adote como regime alimentar o vegetarianismo. Tende o cuidado de beber somente leite ou água e logo vereis como uma paz profunda se instala no ser outrora agitado. Mas se desejais ir mais longe e fazer nascerem em vós faculdades transcendentais adormecidas, acrescentai a este regime o CHÁ, várias vezes ao dia e praticai, pela manhã e à noite, a MEDITAÇÃO durante uma hora ou hora e meia e estareis em condições de conseguir fenômenos muito nítidos de telepatia e visão do astral.

O regime vegetariano que exclui o peixe, a carne e o álcool, sendo usado no campo ou em meio análogo, livre de toda preocupação material, pode ser usado durante longos anos sem nenhum perigo. A princípio, o estudante deve exercitar-se em períodos curtos, de 7 dias; depois, passará a 15 dias e assim por diante. Nos regimes vegetarianos de longa duração admitem leite, ovos e queijo. Quando se pretende realizar uma operação mágica, ovos e queijo são suprimidos. Este é o chamado "regime Pitagórico". O clima deve ser levado em consideração quando se estabelece o regime alimentar. Nas regiões frias o organismo precisa de mais gorduras. Nas regiões quentes, tropicais e equatoriais, como Egito e Índia, a energia solar supre boa parte da necessidade energética do corpo e por isso, uma porção de arroz é suficiente como prato principal ao longo de um dia. Em outras palavras, não se pode impor a um inglês o mesmo regime alimentar de um indiano. Uma vez compreendida essa necessidade de adaptação, importa saber que o vegetarianismo continuado confere ao homem força física e diminui as tensões nervosas. Finalmente, antes de entregar-se a um regime alimentar, a fim de realizar operação mágica, é preciso concentrar-se no objetivo que se quer atingir e das forças disponíveis. Somando a isto as considerações sobre o ambiente e o clima, pode-se então determinar o número de dias durante os quais o regime deverá ser seguido. O regime comum deve ser substituído pelo vegetarianismo gradualmente. No início são suprimidos os excitantes, como o café e o álcool; depois, a carne no almoço e no jantar; a seguir, o peixe conservando por mais tempo o uso da manteiga e do azeite.

O regime dura oito dias e consiste em uma dieta de legumes cozidos sem sal e, de preferência, colhidos pelo operador. É um regime que somente deve ser empregado no campo. Nas grandes cidades, de vida agitada, onde tudo gravita em torno da esfera passional os ensaios do regime vegetariano exclusivo são desastrosos. Temos constatado fenômenos evidentes de anemia cerebral em várias pessoas que tentaram seguir estritamente este regime ao qual ninguém pode resistir mais de seis meses.

Regime Animal

Os alimentos vegetais atuam sobre o centro emocional ou instintivo, involuntário. Os alimentos do reino animal atuam sobre o centro passional e desenvolvem de um modo considerável a resistência do organismo aos impulsos vindos quer do exterior, quer da vontade. O regime animal convém, principalmente, aos de ação na vida cotidiana ou àqueles que suportam a vida febril das grandes cidades. Este regime deve ser excluído da educação mágica, porém, o magista deve conhecer seus efeitos. Na antiguidade, os animais sacrificados nos templos para alimentação, eram "encantados" antes do sacrifício. O sacerdote sacrificador fazia um ritual, uma prece, cujo objetivo era promover a separação entre o corpo físico e corpo astral e assim evitar o sofrimento do animal. Em tais condições, a carne consumida era astralmente boa e não desenvolvia nenhuma faculdade má no ser humano. Atualmente, os animais são assassinados industrialmente em uma atmosfera de horror, revolta e sofrimento sem medida. A consequência deste fato é que os contemporâneos não absorvem somente a carne; absorvem ao mesmo tempo a cólera, a revolta e o embrutecimento. Se os profanos não compreendem e zombam destas verdades, outros compreenderão e saberá o motivo da tradição da prece antes de começar uma refeição, qualquer que seja a religião. É uma necessidade verdadeira na época atual para afugentar as más influências astrais.

Excitantes Materiais

Assim como alimentos vegetais atuam sobre os centros nervosos do instinto e os animais sobre os centros passionais, há substâncias que agem sobre o centro intelectual: são os EXCITANTES (drogas). Sabe-se que, no estado normal, uma reserva de força nervosa existe nos plexos nervosos do grande simpático. A primeira ação de um excitante é influir sobre estas reservas liberando força nervosa armazenada. O efeito produzido é um aumento súbito do fluxo de ideias. O preço deste estímulo, quando passa o efeito da droga, é uma fadiga profunda do organismo que, se for prolongada, pode trazer graves perturbações. Neste estudo, trataremos das propriedades das seguintes substâncias: álcool, café, chá, haxixie (extrato de cannabis sativa ou maconha).

Álcool Resultado da química dos laboratórios humanos, o álcool, como a maior parte dos excitantes é um dos mais poderosos e também dos mais perigosos. Sua ação, em forma de aguardente (destilados, cachaça, vodka, etc.) é muito rápida, porém pouco profunda e de pouca duração. Sob a influência do álcool, uma grande quantidade de força nervosa é liberada e o espírito fica como que iluminado pela riqueza de ideias que surgem e se relacionam no centro intelectual. O álcool não se presta, portanto aos trabalhos demorados de análise, de dedução; adequar-se unicamente à concepção de ideias matrizes que, se não forem anotadas na hora, em geral, perdem-se no esquecimento depois do sono que advém ao cessar o efeito do excitante.

Como foi dito, a ação do álcool dura pouco. Não se deve recorrer a uma segunda dose em uma mesma ocasião. A ingestão de uma segunda dose, na esperança de prolongar os efeitos da primeira, é inútil e perigosa. A vivacidade intelectual dá lugar a um embotamento da percepção e do discernimento: a embriaguês. A combinação do álcool destilado com açúcares resulta em um outro tipo de excitante alcoólico: o licor. A ação dos licores é mais lenta que ação do destilado puro. O licor age mais intensamente sobre os desejos e pode fortalecer momentaneamente a capacidade de realização da vontade em ocupações intelectuais. O destilado puro, atua sobre as necessidades físicas e emocionais. É preferível o licor às "águas ardentes" sempre que o objetivo for uma ação. O álcool "seco", sem açúcar, é mais indicado à meditação ou trabalho de concepção de idéias.

Café

O café é o mais poderoso dos excitantes no que diz respeito à duração dos efeitos. O café coado, produz dois resultados perfeitamente distintos:

1º) Durante a primeira hora que se segue a sua ingestão, o café opera sobre o plexo nervoso do abdômen e, ajudado pelo calor, facilita o trabalho digestivo permitindo ao espírito dispor de maior quantidade de força nervosa corrente, ou seja, sem recorrer às reservas.

2º) Duas ou três horas após a ingestão, o café começa a operar na esfera intelectual e esta ação dura de uma a duas horas para cada xícara. Assim, se for tomado a uma hora da tarde, a ação psíquica começa às 3 e continua até as 5. Depois disto, o estômago vazio e ocioso, torna o trabalho intelectual ainda mais fácil. Quem pretende usar o café como estimulante deve se preparar para isso, preparando suas anotações, traçando seus esquemas e esboços antes de começar a trabalhar. O melhor horário de uso é pela manhã, em jejum ou em quase jejum. Entretanto, é necessário estar prevenido contra as reações adversas. Em pessoas nervosas o café pode provocar uma espécie de "ressaca", crises de tristeza. Por isso, o emprego do café é mais seguro em pessoas vigorosas e deve ser evitado pelos fracos e anêmicos.

Chá

A excitação intelectual fornecida pelo chá é intermediária entre a do álcool e a do café; esta excitação, porém é muito suave. O chá torna o indivíduo melancólico e enfraquece paulatinamente os centros nervosos. Temos visto frequentemente anemias nervosas graves em estudantes russos que abusaram do chá. Este excitante possui a faculdade de sustentar um trabalho intelectual continuado. Por isso, é o único que pode ser empregado nos períodos de realização. O defeito capital do chá é atuar muito profundamente sobre os centros nervosos de modo que o período de reparação do organismo é muito longo. A anemia nervosa provocada pelo chá manifesta-se pela ausência total de iniciativa e coragem.

Haxixe

O haschisch (haxixe) é uma das drogas mais perigosas do ponto de vista psicológico. Muita gente pensa que esta substância proporciona visões sublimes e êxtase. Isso não é verdade. É preciso saber usar o haxixe. Tal como o ópio, porém com ação mais intensa, o haxixe libera rapidamente toda a reserva de força nervosa ativando a esfera intelectual de modo que as ideias pré-existentes ao uso da droga são exageradas, amplificadas de modo prodigioso. Isso implica existência de ideias antes da queima do haxixe. Quando as ideias originais são vulgares, vulgares também são as impressões que resultam do uso do haxixe. Um experimentador, tendo usado o haxixe sem uma ideia pré-concebida e esperando o que ia suceder, simplesmente dormiu e sonhou que era um cachimbo e que fumava a si próprio. O haxixe é um amplificador e não um criador. A reação adversa, pós-efeito, frequentemente se apresenta como sensação de angústia e ocorrência de pesadelos.

Sob o ponto de vista mágico, o uso de todas as drogas aqui mencionadas encerra uma boa dose de perigo. Elas aumentam o império do ser impulsivo sobre a vontade e é preciso uma autoridade muito forte sobre si mesmo para não se deixar dominar por estas substâncias, que são a encarnação da alma do mundo na matéria.

Featured Posts
Recent Posts
Archive
Search By Tags
Siga nos
  • Facebook Basic Square

SEJA MUITO BEM

VINDO

AO TEMPLO DE MAGIA

© 2013 por TEMPLO DE MAGIA NEGRA